O passo da responsabilidade

Frequentemente encontro nos meios de comunicação informações sobre Responsabilidade Sócio Ambiental que desinformam o leitor ou perdem a oportunidade de informar melhor sobre o assunto em questão. Um exemplo disso é a matéria na conceituada revista HSM Management “Passo a passo das certificações ambientais”. (http://www.hsm.com.br/editorias/sustentabilidade/passo-passo-das-certificacoes-ambientais).

O que existe de mais novo em termos ambiental é também o que há de mais novo em termos sociais e também o mais atual em termos de gestão das empresas. Trata-se da norma ISO 26.000 que foi lançada mundialmente em novembro de 2010.  Esta é a norma social e ambiental, esta é a norma sobre o termo “sustentabilidade” que tanto se fala e pouco se conhece. No Brasil ela baseia-se na norma da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) NBR 16.000 e na Norma Brasileira de Contabilidade NBC T15.

A ISO 26.000 não é certificável, mas é um guia, pois uma norma internacional não pode interferir na cultura e costume de um país. Portanto, passou a ser basicamente um guia que recomenda que siga todas as leis e normas do próprio país, o que já é um grande desafio.

No Brasil a ABNT constituiu um comitê representado por trabalhadores, consumidores, setor acadêmico, governo, empresas e terceiro setor que teve como incumbência a elaboração das normas NBR 16.001, 16.002 e 16.003 que são certificáveis, ou seja, pode-se certificar que dada empresa cumpre a norma.

Temos também a Norma Brasileira de Contabilidade NBC T15 que é obrigatória para toda empresa com CNPJ, mas que ninguém cumpre, pois não há multa e depende apenas de “responsabilidade” pessoal dos gestores das empresas e do contador. Esta norma mostra em números a geração e a distribuição de riqueza, dados sobre os recursos humanos, a interação da empresa com a comunidade e a interação com o meio ambiente e serve para orientar a aplicação de NBR 16.001. Com o advento da ISO 26.000 quem quiser ser visto ou considerado como responsável vai ter que apresentar a NBC T 15. Se não apresentar caracteriza-se propaganda enganosa.

A ISO 26.000 não aborda apenas assuntos internos da empresa como as outras normas, mas também trata de assuntos do meio ambiente e da comunidade que se relacionam e são afetados pela empresa. Ela também propõe cooperação entre estas partes envolvidas para melhorar os resultados para todos (cadeias produtivas, meio ambiente e comunidade).

Em relação às demais certificações que existem digo que atualmente é melhor aplicar primeiro a NBR 16.001 por ser esta mais abrangente que as outras normas. Aí fica mais fácil obter as demais certificações. Se for feito o contrário, ou seja, obter uma ISO 14.000 ou ISO 9000 e depois aplicar a NBR 16.001 a empresa terá que refazer todo o trabalho e pagar novamente todo o custo de certificação.

A Fundação Vanzolini, que foi tão citada no texto sabe disso, pois faz parte do comitê da ABNT que já está atualizando a NBR 16.001.

O que a revista HSM Management deveria fazer é estimular seus leitores a procurarem a ABNT e participarem do processo de revisão da norma NBR 16.001 que está sendo feito agora (2011) para estarem engajados e “up to date” e não deixar eles alienados de algo tão importante.

Participem.

Anúncios